ncard_small_logoncard_international

Parabéns, ! Cartão Zattini APROVADO! Solicite o seu e compre agora mesmo seu produto favorito. Benefícios exclusivos toda semana!

ncard_small_logoncard_international

, Exclusivo! Cartão Zattini PRÉ-APROVADO para você. Solicite o seu N Card e tenha sempre benefícios especiais. Descontos todos os dias parcelamento exclusivo em até 15x sem juros.

Peça agora seu N Card, cartão de crédito aceito em milhares de estabelecimentos em todo mundo.

HomeTudo de estiloEvolução no estilo de vestir caminha com o feminismo

Evolução no estilo de vestir caminha com o feminismo

Capaz de identificar costumes e comportamentos, a moda evolui de acordo com o retrato sociocultural de diferentes épocas, e é o feminismo a sua maior fonte de inspiração. 

A partir do final do século XIX, quando a mulher passou a lutar por direitos básicos, como votar e trabalhar, a moda passou a caminhar com as mulheres. O espartilho perdeu espaço no guarda-roupa feminino e peças com cortes retos e mais confortáveis passaram a estrelar o estilo delas. 

Tudo começou com Coco Chanel que, depois da Primeira Guerra Mundial, criou a ideia de sequestrar trajes masculinos e dar a eles um toque de feminilidade e elegância. O tweed, as jaquetas com cortes retos, as listras Breton e as calças entraram de vez nos guarda-roupas femininos.  Anos depois, com o final da Segunda Guerra Mundial, Christian Dior lançou a coleção “The New Look” para trazer de volta o luxo ao estilo feminino, tão escasso no período das guerras.

Mais tarde, em 1960, com a busca das mulheres pelo amor livre e por um lugar ativo na sociedade, a moda feminina quebrou códigos e surgiram a minissaia e as peças com muitas cores. Neste período, Yves Saint Laurent criou o smoking com uma blusa transparente e calça masculina, que virou o selo da grife. Se Coco Chanel deu às mulheres liberdade, Saint Laurent as elevou ao status de poder.

Em 1970, a calça jeans atingiu o ápice da popularidade na moda feminina, virou uma peça universal e que não reconhecia as diferenças de gênero. Na década de 1980, as mulheres passaram a ocupar espaços de poder no mercado de trabalho, época que ficou marcada pelo “power dressing”, que eram os ternos com ombros largos, estofados e cortes fortes. Foi o estilo Giorgio Armani, que perdeu sua exclusividade masculina para o mundo feminino. 

A moda voltou a reverenciar a liberdade a partir dos anos 1990, com as calças pantalonas, as saias longas e os blazers. Hoje a moda é da mulher real que busca representatividade social e que reafirma seu poder vestindo o que quiser.